ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

domingo, 3 de janeiro de 2016

PROCISSÃO DO SENHOR DOS NAVEGANTES

Um impedimento de ordem física impediu-me de ir assistir a passagem da procissão do Senhor dos Navegantes na Barra. Ficava sentado na balaustrada desde muito cedo. As 10 da manhã, os primeiros barcos apontavam pelos lados do Iacht Clube. As lanchas, mais velozes, chegavam na frente. Depois vinham os outros barcos. Geralmente um ferry-boat com música a bordo animava ainda mais o mar.Todos os anos a Marinha dispunha uma fragatata para acompanhar de longe a grande procissão. Sempre reparei essa atenção.  Foguetes de flechas subiam ao céu e caiam no meio do povo ou no mar. Tirava minhas fotos, sempre à procura da galeota que conduzia Senhor dos Navegantes. O indicativo infalível era procurar um rebocador. Ele puxava a galeota com o Santo.

Porto d Barra


A galeota em meio a outras embarcaações
Sob a proteção da Marinha do Brasil

 Aquele aglomerado atravessava todo o Porto da Barra; passava em frente ao Forte de Santa Maria e ali fazia a volta. Bom Jesus voltava para a casa. Claro que não via a sua chegada. Quando menino, morador de Itapagipe, caia n’água e tentava me aproximar da galeota. A ideia era pegar uma flor branca entre muitas ao pé do Santo, beijava-a e jogava no mar  onde me encontrava. Devia fazer algum pedido. Já adulto, na véspera do primeiro dia do ano, eu e minha esposa acompanhavam a chegada do Santo no cais do Porto até sua chegada à igreja da Conceição da Praia. Claro Nossa Senhora  ia até o cais aonde ele chegava e o acompanhava até  igreja. Era um momento de muita emoção. Colocávamos uma braçada de flores brancas aos pés do Santo. Fizemos isso por muitos anos, até que a idade chegou.

Nossa Senhora da Conceição da Praia


Chegando na praia

Contudo, nem tudo são flores. Tinha que lamentar a grande ausência dos nossos saveiros do recôncavo. Poucos, mas muito poucos saem das ilhas para acompanhar a procissão. Sempre reparei esta ausência, da mesma forma que sempre reparei a ausência das centenas de lanchas que ficam ancoradas na Marina do Comércio, onde passa a procissão na vinda e na volta. A Prefeitura deveria exigir o mínimo de consideração ao Santo que é de todos, ricos e pobres. Não se esqueçam, o espaço é uma concessão da Prefeitura. Comentamos outro dia esta celeuma.


 Resultado de imagem para fotos do senhor dos navegantes

Nenhum comentário:

Postar um comentário