ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

DISTRITO DA JEQUITAIA


Bairro da Calçada do Bonfim, depois Calçada, em 1861. Era nessa época considerada um arrabalde de Jequitaia, região afastada no município de Salvador (Fotografia: Camilo Vedani. Acervo Walter Lessa).

Tão importante quanto a Av. 7 de setembro na Cidade Alta, ligando o centro da cidade (parte alta)  aos bairros da orla marítima, destacamos a Av. Jequitaia, proporcionando a ligação do centro da cidade (parte baixa) à Península de Itapagipe que, rigorosamente, tem inicio na Calçada.

Outra similaridade entre as duas avenidas, diz respeito  a forma ou as dificultadas que  as duas  tiveram ao tempo de suas construções: ambas passaram por cima de igrejas  e casas de todas as naturezas.Tinham que ir em frente. A Jequitaia ainda enfrentou os avanços do mar  perto das casas e tudo o mais que existia no local

Antiga Jequitaia (compactada de imóveis)



Igreja do Pilar e Igreja do Espírito Santo ( um dos nomes) -Carmelitas Calçados(outro nome)
A igreja em novo ângulo
Acima, a Igreja dos Carmelitas Calçados, vista da Igreja Matriz do Pilar. Fotografia de 1939, ou anterior, publicada no livro Relíquias da Bahia, de Edgar de Cerqueira Falcão, de 1940. Já estava sem as suas torres, mostradas nas imagens abaixo. Atualmente, passa no local, onde está a Igreja, a Travessa do Pilar, com acesso à Avenida Jequitaia.



 Mapa do Pilar, de 1871, com as duas igrejas 

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

LADEIRA FRANCISCO DE PAULA OU LADEIRA DA LAPINHA



É conhecida de muita gente a Ladeira da Lapinha, ligando o largo do mesmo nome à Av. Jequitaia, nas proximidades da atual Feira de São Joaquim.

A bem da verdade, contudo, essa ladeira chama-se Ladeira São Francisco de Paula em razão  da existência no  lado direito de quem sobe, da Igreja São Francisco  de Paula, apesar de sua construção ter sido  posterior à Igreja da Lapinha. Esta foi fundada em 1771 e a igreja São Francisco de Paula é datada de 1819.

Igreja São Francisco de Paula

Entre arvores- ainda era cuidada!
Igreja da Lapinha

Ladeira da Lapinha ou Ladeira Francisco de Paula
Na parte da baixa a antiga Feira de Água de Meninos


A seta vermelha indica a Igreja São Francisco de Paula

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

UM CRIME CONTRA A NATUREZA - PENÍNSULA DE ITAPAGIPE


Acima temos importante foto do Alto do Bonfim, onde se encontra a Igreja do Senhor do Bonfim, uma das mais visitadas de todo o mundo. É uma foto bem antiga que tivemos a oportunidade de localizar.
Há de se reparar que o mar à direita está bem próximo do templo contornando-o  Estamos nos referindo à Enseada de Itapagipe ou Enseada dos Tainheiros.
Aí  pelos de 1940, possivelmente um pouco menos (1935) a Prefeitura achou  por bem nomear Itapagipe com Pólo Industrial de Salvador que, imediatamente, absorveu no seu pequeno espaço, perto de 40 indústrias.
Se de um lado o pólo itapagipano promocionava centenas de novos empregos, principalmente oferecidos aos habitantes locais e aos moradores das ilhas e do Recôncavo, de outro, provocava séria poluição do ar e de seus mares, causando logo de principio o êxodo dos veranistas que, em quantidade, era maior que os moradores locais. Era uma fonte de riqueza; movimentava todas as áreas comerciais. Os espanhóis dos antigos armazéns foram os mais beneficiados. Promoveu a vinda de milhares deles. Quando os veranistas foram embora, os espanhóis voltaram para sua terra. Hoje, não tem um armazém ou atacado que pertença a galego. (da Galicia).
A vinda de milhares de pessoas das Ilhas e do Recôncavo para trabalhar nas indústrias que se instalaram em Itapagipe causou, inclusive, uma grave crise habitacional. Nas laterais das fábricas, do lado de fora, se instalaram barracas de lona e plástico e se fizeram precárias moradias.
Como resultado, nos anos 40 do século passado, esse povo promoveu a invasão dos mares de Itapagipe, tendo como ponto de partida o bairro do Uruguai. Em seguida, em 1953 foi a vez da invasão do mar que circundava a Av. Porto dos Mastros, na época também chamada de Rua Domingos Rabelo, em homenagem a um pintor português de projeção internacional, mas em nada importante que o ligasse ao Brasil e especialmente a Bahia.onde se diz fez uma exposição de seus trabalhos. Nada a haver, nclusive o seu nome era Domingo Rebelo e não Rabelo como apontavam as placas de ruas da Prefeitura. Foi autor de algumas das imagens mais emblemáticas da iconografia dos Açores,em destaque para Os Emigrantes, provavelmente a imagem mais reproduzida no arquipélago.

A seguir estamos reproduzindo um mapa anterior as invasões do mar em Itapagipe::

Percebem-se ilhas e penínsulas internas. Outro detalhe é a parte estreita que liga o Bonfim à Penha.

Mapa atual
Acima a situação atual da península. “Engrossou”, praticamente duas ou três vezes. Consequentemente, o mar interno (a baia) diminuiu praticamente na mesma proporção do crescimento térreo, valendo salientar que à esquerda da península não houve mudança.  È a mesma coisa.
A parte azul era  mar  antigamente, baias e enseadas
Parece outra peninsula

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

AS TRES CATEDRAIS DE SALVADOR


Inicialmente, vamos definir o que seja uma catedral: Catedral ou Sé é o templo cristão em que se encontra a sede de um bispo e uma diocese, com seu cabido. Deriva do latim cathedra (cátedra, cadeira), de maneira que o nome catedral faz referência ao trono do bispo. No caso, poucos sabem que Salvador teve três catedrais ao longo de sua história. A primeira foi a Igreja da Ajuda; a segunda a Igreja da Sé e, por último até os tempos de hoje, a Catedral Basílica Primacial de Salvador.

A primeira delas ainda existe na Rua da Ajuda, bem no centro da cidade com outra feição:



Desenho da Igreja da Ajuda


Igreja da Ajuda - já em deterioração

Igreja da Ajuda (hoje)

antiga Igreja da Ajuda. A construção foi iniciada em 1572 pelos jesuítas. Em 1912 ela foi demolida. Um outro templo dedicado à Nossa Senhora da Ajuda foi construído próximo do mesmo local, inaugurado em 1929, ainda guarda parte do patrimônio histórico da antiga igreja.

É grande a oportunidade de se falar sobre Nossa Senhora da Ajuda,principalmente em razão de sua forte ligação com um dos mais belos municípios da Bahia: Arraial d!Ajuda.

Eis uma bela descrição :

A intensidade da devoção mariana dos cristãos, ao longo dos séculos, perpetuou essa vontade expressa pelo Redentor na agonia da Cruz. Muitos templos foram erguidos em agradecimento à Divina Mãe que sempre intercede pela ajuda à seus filhos, junto ao Senhor. Assim, Nossa Senhora passou a ser venerada sob os títulos: "ajuda dos cristãos", "consolo dos aflitos", "saúde dos enfermos" e tantos outros, que nomearam pessoas e localidades, no mundo inteiro. 
O culto à Virgem da Ajuda chegou às novas colônias através das expedições marítimas do século XVI. No Brasil, primeira capela de Nossa Senhora da Ajuda, foi construída pelos cinco jesuítas pioneiros, no litoral sul da Bahia. Eles vieram na comitiva de Tomé de Sousa, em 1549. A capela, no início era coberta de folhas de palmeiras e tinha o altar móvel com um crucifixo e a imagem de Nossa Senhora da Ajuda, trazidos de Portugal. Ao seu redor surgiu um povoado chamado: Arraial d'Ajuda, hoje distrito de Porto Seguro. 
A intensidade da devoção mariana dos cristãos, ao longo dos séculos, perpetuou essa vontade expressa pelo Redentor na agonia da Cruz. Muitos templos foram erguidos em agradecimento à Divina Mãe que sempre intercede pela ajuda à seus filhos, junto ao Senhor. Assim, Nossa Senhora passou a ser venerada sob os títulos: "ajuda dos cristãos", "consolo dos aflitos", "saúde dos enfermos" e tantos outros, que nomearam pessoas e localidades, no mundo inteiro. 
O culto à Virgem da Ajuda chegou às novas colônias através das expedições marítimas do século XVI. No Brasil, primeira capela de Nossa Senhora da Ajuda, foi construída pelos cinco jesuítas pioneiros, no litoral sul da Bahia. Eles vieram na comitiva de Tomé de Sousa, em 1549. A capela, no início era coberta de folhas de palmeiras e tinha o altar móvel com um crucifixo e a imagem de Nossa Senhora da Ajuda, trazidos de Portugal. Ao seu redor surgiu um povoado chamado: Arraial d'Ajuda, hoje distrito de Porto Seguro. 





Arraial d'Ajuda
Uma nova sé-catedral começou a ser erguida ainda na época de Tomé de Sousa numa zona fora dos muros da cidade, onde também os jesuítas instalavam seu colégio e igreja definitivos. Essa zona foi também logo cercada por um muro, necessário devido às ameaças de ataque dos indígenas e de outros europeus. Não se sabe exatamente quando foi começada nem terminada, mas em 1570 o governador Mem de Sá informa que a reconstruiu em pedra e cal, com uma planta de três naves.[ (Wikipedia)

 Uma nova sé-catedral começou a ser erguida ainda na época de Tomé de Sousa numa zona fora dos muros da cidade, onde também os jesuítas instalavam seu colégio e igreja definitivos. Essa zona foi também logo cercada por um muro, necessário devido às ameaças de ataque dos indígenas e de outros europeus. Não se sabe exatamente quando foi começada nem terminada, mas em 1570 o governador Mem de Sá informa que a reconstruiu em pedra e cal, com uma planta de três naves.[ Wikipedia

antiga Sé da Bahia foi a catedral (sé) da diocese e depois arquidiocese de Salvador da Bahia desde o século XVI até 1765. Nesse ano, a sede da arquidiocese mudou-se para a atual catedral. Apesar de sua importância histórica, o edifício da antiga Sé foi demolido em 1933, durante uma reurbanização do centro da cidade, principalmente para a implantação dos trilhos  bonde da Linha Circular da Bahia

Rua da Misericórdia tendo ao fundo uma dos lados da antiga igreja. Era imensa!

Catedral da Sé em 3D

Julga-se que a atual Catedral de Salvador no Terreiro de Jesus, tenha sido instalada após a demolição da então Igreja da Sé. Na verdade, sua instalação como catedral se deu entre os anos 1950/1960 quando os jesuítas foram expulsos do Brasil. Nessa ocasião o título de catedral passou da então Igreja da Sé para o terreiro. A fachada e todo seu interior são em mármore de Lioz, trazido de Portugal cortado e esculpido em Salvador, processo semelhante àquele da construção da Igreja da Conceição da Praia.
O interior da igreja varia entre os estilos barroco e rococó.

Embora menos famosa, na cidade, que a “igreja de ouro” do convento de São Francisco, essa catedral, por todo o seu acervo artístico e sua monumentalidade, é considerada, por vários especialistas, como a mais importante construção sacra do Brasil colonial. 

A igreja foi adaptada para ser transformada na nova Catedral da cidade, já em 1781, substituindo a primitiva, a velha Sé, vizinha a esta, que já na época se encontrava muito deteriorada e que, por fim, foi demolida em 1933, dando origem ao grande vazio que hoje é a Praça da Sé.
 


Nos nichos sobre as portas estão as imagens de três santos jesuítas: Santo Inácio de Loyola, São Francisco Xavier e S. Francisco de Borja.



  1. Santo Inacio de Loyola
São Francisco Xavier

São Francisco de Borja