ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

domingo, 28 de dezembro de 2014

A EVOLUÇÃO DO BANHO DE MAR E SUAS ROUPAS

Salvador é uma cidade eminentemente “praiana”, ou seja, suas principais ruas e avenidas tem o mar como cenário maior. Consequentemente, os prédios residenciais, os grandes hotéis procuram ser construídos “a beira mar” e para quem pode, constrói uma casa de praia em frente ao mar.

Mas nem sempre foi assim. No Rio por exemplo, em 1917, o prefeito carioca Amaro de Brito regulamentou os horários de funcionamento das praias. Inicialmente, as senhoras banhavam-se de madrugada para não serem vistas. De 1º de Abril a 30 de novembro, podia-se entrar n’água das 6 h às 9 h e das 16h às 19h. No verão, das 5h às 8 h. e das 17h às 19h. Quem fosse pego em outros horários era punido com multa ou cinco dias de cadeia.

A liberdade de freqüentar a praia sem a perseguição da policia começou com os esportes aquáticos. Em 1880 aconteceram às primeiras regatas e a primeira mulher a vestir um maiô de peça inteira, colado ao corpo, foi a campeão olímpica Annette KELERMAN na Olimpíada de Estocolmo em 1912.


EM 1946, o francês Louis Reard chocou o mundo ao mostrar dançarinas de cabaré com o umbigo à mostra, vestidas apenas com a sua invenção, o biquini, 


15 anos depois, a polêmica chegou ao Brasil: o biquini foi proibido nas praias nacionais pelo pacote moralista do presidente Jânio Quadros que vetou também corridas de cavalo, rinhas de galo e o lança perfume. Mas a moda já tinha pegado por aqui fazia tempo.

Proibir algo assim é coisa de maluco mesmo.



Em 1964 a novidade foi o monoquíni (ou topless) que foi criticado pela igreja, mas apoiado por Roberto Carlos em músicas como “Eu sou fã do monoquíni”. Em 2000 depois de tirar a parte de cima do biquini na praia do Recreio, a carioca Rosemeri Costa foi presa por 20 policia.

Mas nem udo é perfeito. Inventaram algo tentando imitar a coisa para homens. Foi um desastre:

Monoquini

Em Salvador, nota-se a aversão pelas praias e o mar quando se construíram as primeiras casas desde a Vitória até Santo Antônio. A frente é voltada para a avenida e o fundo para as encostas.
Vale salientar nessa oportunidade que desde os tempos de Tomé de Souza, decretaram que todo o lixo produzido na cidade que era alta fosse jogado na parte baixa. Praticamente foi assim que começou o aterro do Comércio.


praia do farol

Mas, voltando ao passado, vejamos como era o banho de mar de antigamente:




sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

LADEIRA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA - SERIA A PRIMEIRA DAS LADEIRAS DE SALVADOR.?..


Quando Tomé de Souza transferiu sua frota do Porto da Barra para a Enseada da Preguiça por questões de segurança, aproximou-se do ponto onde seria montada a Cidade de Salvador no alto da colina. Claro que precisava de um ponto menos íngreme para alcançar o local onde seria montada a cidade. Vejamos na ilustração abaixo esta situação já com novos elementos acrescentados através dos tempos.



Ilustração: Seta vermelha indica a Igreja de N.S. da Conceição;  Seta Azul indica o caminho tomado pelos colonos para alcançar à Praça Castro Alves; Seta amarela mostra os elevadores.

Em sendo assim, a Ladeira da Conceição teria sido a primeira ladeira de Salvador. Essa primazia é dividida com a Ladeira da Preguiça que fica ao lado da Conceição da Praia. É difícil determinar.



Ladeira da Conceição da Praia

Artífices da ladeira da Conceição

Estás a passear ou....?





terça-feira, 16 de dezembro de 2014

AVENIDA 7 DE SETEMBRO- UMA INFLUENCIA DE PARIS

A Avenida 7 de setembro, a grande obra de J.J. Seabra, teve visível influencia das obras realizadas em París entre 1809-1891 pelo Barão George Haussmann (1809 – 1891),

Da mesma forma como aconteceu no Rio de Janeiro, em Salvador abriu-se novas avenidas, com notável destaque para a av. 7 de setembro, realizada no governo J.J Seabra entre os anos 1912/1924.

Este trabalho visa mostrar como era a cidade de Salvador antes da atual av. 7 de Setembro:

Mercês
Rosário
Piedade

Obras do Sulacap


Vitória
atual trajeto


São Bento
Mercês
ROSÁRIO

Igreja das Mercês


Com a execução de todas estas obras,
Haussmann acabou criando um estilo, onde todas
as reformas que ocorreram ao molde de Paris –
abertura de grandes avenidas, demolições de
velhas edificações, higienização da cidade e
implantação de serviços urbanos – passaram a ser
classificadas como “haussmanniana”.

domingo, 7 de dezembro de 2014

UM JEITO PARA NOSSO FUTEBOL

Mais uma vez o futebol baiano está na segunda divisão do futebol brasileiro, mas desta vez é diferente de outras ocasiões. Temos um dos melhores estádios do País digno dos maiores espetáculos desse esporte, ou seja, é um palco para receber os maiores clubes, consequentemente, os maiores craques que estejam em ação. Contrariamente, por cerca de um ano, a Fonte Nova, chamada agora de Arena, irá receber, por exemplo, o Arapiraca e assemelhados. Rigorosamente, estaremos assistindo a espetáculos de segunda categoria, os mambembes da vida.


Os especialistas do esporte chamado beltrão tentam iludir o público convidando-o a comparecer ao estádio de qualquer maneira com conhecidas manchetes de que Bahia e Vitória precisam voltar à Primeira Divisão e que para tanto o público precisa comparecer em massa ao estádio, como se nada tivesse acontecido.
Claro que todos estão a defender seus salários nas emissoras e jornais e em alguns casos até o seu próprio emprego, essa é a verdade.
Compreende-se a situação, mas concomitantemente seria necessária a abertura de uma campanha junto ao público de um modo geral incitando-o a colaborar efetivamente com os clubes tornando-se sócio contribuinte como acontece com os clubes da Europa, mesmo de São Paulo, clubes esses que chegam a ter perto de quinhentos mil sócios.
Mas na Bahia é diferente. Não há essa conscientização. É de todos sabido. Então que se use o pagamento obrigatório, ou seja, em cada ingresso vendido, cobrar-se-ia uma taxa fixa de 5 reais destinada a cada clube como sendo uma contribuição associativa de cada torcedor.

Seja qual for a renda, essa taxa seria sagrada e repassada todos os meses a cada clube dispujtante.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

DIA DE SANTA BÁRBARA

Hoje é dia de uma grande santa. Santa Bárbara. Também é meu dia. Nasci nesse dia. Como de costume, presto-lhe minha homenagem da melhor forma ;  penso nela, rezo por ela e com ela. Visto-me com algum complemento vermelho, sua cor., Faço o que posso, por exemplo; mando uma de minha filhas fazer um caruru. È de costume.Acendo velhas. Rezo por ela e por todos  ao meu redor; rezo também pelos mais necessitados; que Santa Bárbara os proteja.


SANTA BÁRBARA