ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

domingo, 23 de novembro de 2014

FÁBRICA DE RAPÉ DO SOLAR DO UNHÃO

Pouca gente sabe que o nosso Solar do Unhão na Contorno já foi uma fábrica de rapé. Sim! Rapé! Era um produto originário do fumo ou era o próprio fumo ralado.

Solar do Unhão

  1. Caixa de rapé inglesa

Foi usado inicialmente pelos indígenas. É considerado terapêutico, e algumas etnias também o preparam com enteógenos como as sementes de paricá. Entretanto, o rapé indígena é apenas para consumo não-ritual, e cada etnia possui suas próprias receitas. Os kaxinawá (hunikui) do Acre o preparam com meia porção de tabaco e meia porção de cinzas de madeiras selecionadas. Consomem o rapé com grandes canudos em forma de V chamados tipí, pois nesse caso não aspiram, e sim são "soprados" por um parceiro.

Relatam que o rapé se usa para esfriar o corpo, pois quando se trabalha muito debaixo do sol, ao ir tomar banho de água fria das cacimbas, pode-se pegar um resfriado, e é bom cheirar rapé antes. Mais que estimulante, portanto, o que o uso do rapé faz é baixar a pressão.
Nobre cheirando rapé
Em 1561, Jean Nicot, embaixador da França em Lisboa, que descreveu as propriedades medicinais do tabaco como uma panaceia em seus escritos, é creditado por ter introduzido o rapé na corte de Catarina de Médici para tratar suas fortes e persistentes dores de cabeça.1 3 Catarina de Médici ficaria tão impressionada com suas propriedades curativas, que prontamente declarou que o tabaco passaria a ser denominado Herba Regina, (em latim, Erva Real), e seu selo real de aprovação ajudaria a popularizar o rapé entre a nobreza francesa.

Catherine de Médicis



sábado, 22 de novembro de 2014

A HISTÓRIA DE UM GRANDE HOSPITAL - PORTUGÊS

Estivemos fora do ar, como se diz, por certo tempo. A vesícula nos pegou. Ficamos internados no Hospital Português por determinado tempo. Claro que ficamos conhecendo por dentro o tradicional estabelecimento hospitalar da cidade no que se refere ao tratamento do cliente. Entramos em contato com grandes profissionais de saúde, especialmente Dr. Roberto Valente. Gente muito boa. Competentíssimo e um homem extremamente simpático. Cura o corpo e a mente.

Claro que não poderíamos deixar passar a oportunidade de reviver a história desse hospital feita há algum tempo atrás nesse blog.

1-    O nome original do Hospital Português era “Sociedade de Beneficência Dezesseis de Setembro.” Sinceramente, não sabemos a razão dessa data.

2-      Começou a funcionar no local onde é hoje o Hospital da Sagrada Família no chamado Alto do Monte Serrat, mais nas proximidades do Bonfim.

Antigo Hospital Português, hoje Hospital da Sagrada Família


3  Transferiu-se para a Cidade Alta na Av. Princesa Izabel onde existia um palacete pertencente à família José de Sá. Antes tentaram outros locais como as mansões pertencentes às famílias Antônio Carlos Soveral e José Joaquim Fernandes Dias no Corredor da Vitória.

Palacete José de Sá- Extraordinário








Hospital Português na Princesa Izabel

A  escritura foi lavrada em 1930 e as antigas instalações na Cidade Baixa foram vendidas em 1938.

No seu plano de expansão o hospital enfrenta um problema. Entre a igreja e uma nova unidade na Princesa Izabel acha-se uma prédio velho (número 13) que, parece que o proprietário estaria pedindo muito alto. Parece que não se chega a um acordo e o prédio permanece no local, absolutamente degradado e coberto de mato por todos os lados. Claro que o mesmo corre sério risco de desabamento com risco às pessoas que circulam no local. Claro que o hospital não teria culpa. Seria mais do proprietário ou da Prefeitura que ainda não interviu.
Número 13





     










segunda-feira, 3 de novembro de 2014

NOSSA SENHORA DE BROTAS DE SALVADOR E DE PORTUGAL

Em 5 de julho de 2011, tivemos ocasião de publicar uma postagem sobre o bairro de Brotas. Tratamos da origem de seu nome. Por quê? Havia alguma dúvida? Sim! Havia!

Certos segmentos diziam que o nome Brotas é originário de Glotas que significa “olho d’Água, ou seja,   que brota da água; mato ou capim e por ai vai.

Pouca gente admitia que Brotas fosse originário de Nossa Senhora de Brotas em Portugal, distrito de Évora onde existe uma igreja dedicada à Nossa Senhora de Brotas construída pouco antes de 1424.



Agora, recebo de Brotas um e-mail da autoria do padre Mario Tavares de Oliveira, pároco de Brotas – Portugal, elogiando este blog pela definição mais do que correta do nome Brotas.



Padre Mário Tavares de Oliveira - Pároco de Brotas, Portugal

Meu prezado amigo, permita que o trate deste modo. Sou P. Mário Tavares de Oliveira, actual pároco de Brotas, Portugal. Parabéns por ter corrigido a origem do nome de Brotas. Hoje esteve aqui no Santuário de Portugal uma peregrinação da Paróquia de Brotas de São Salvador da Baía com o seu pároco Mons. Edmilson Macedo. Foi maravilhoso. Demos abraços do tamanho do Atlântico! Foi um momento de resgatar a história, no dizer de Mons. Edmilson. Junto anexo algumas fotos.
Grande abraço"
P. Mário

E surpresa, aliás, agradável surpresa: um grupo de baianos da Paróquia de Brotas de Salvador visitava a Igreja Nosssa Senhora de Brotas em Portugal. Vejam uma das fotos enviadas pelo referido padre:



Baianos em Brotas - Portugal - até com bandeira da Bahia


Igreja Nossa Senhora de Brotas - Salvador-Bahia

sábado, 1 de novembro de 2014

A CRISE DE ÁGUA EM SÃO PAULO

A crise de água em São Paulo é mais séria do que se possa imaginar. Não se imaginava que pudesse acontecer! Afinal de contas, em São Paulo chove muito. Chuvas intermináveis, volumosas, a capital dos raios em todo o mundo, essas coisas. 

Sistema Cantareira - Limite 0

 A população está ameaçada de ficar sem o precioso líquido. Muitas indústrias terão que fechar as portas. A maioria depende de água. O turismo também será prejudicado. Os hotéis tendem a ficar sem água. São Paulo como um todo, tende a parar. Será o caos.

Ai, a nossa presidente sendo inquirida numa entrevista na TV deixou bem claro que o Governo Federal não tem nada a haver com o problema: “A questão da água é dos governos estaduais”, afirmou.

Jogou a bola para o outro lado de uma forma um tanto quanto irresponsável, desde que com fins e propósitos exclusivamente políticos. Havia perdido as eleições em São Paulo.


Mas a senhora presidente está redondamente enganada. Primeiramente, porque se São Paulo parar, para o Brasil. Por outro lado, ela desconhece o que seja a ANA (Agência Nacional de Águas). Foi criada pela Lei 9.984/2000 e regulamentada pelo decreto 3.692/2000 e é responsável pela implementação da gestão dos recursos hídricos brasileiros. Tem como missão regulamentar o uso das águas, dos rios e lagos de domínio da União e implementar o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, garantindo o seu uso sustentável, evitando a poluição e o desperdício e assegurando água de boa qualidade em quantidade suficiente para a atual e as futuras gerações.

Estamos ferrados!