ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quarta-feira, 30 de abril de 2014

ENSEADA DA PREGUIÇA

Em postagem anterior comentamos que Tomé de Souza após alguns dias aportado com suas naus no atual Porto da Barra, antiga Vila Velha, em não sentindo segurança para essas naus mandou ver um lugar mais seguro dentro da Baía de Todos os Santos.

Assim foi feito. Em pouco tempo seus auxiliares indicaram-no a Enseada da Preguiça para onde então foram transferidas as naus.Coincidentemente ou não, foi logo acima que escolheram onde seria construída a nova cidade.

Enseada da Preguiça? Mas que enseada?

Hoje é realmente difícil entender como a Preguiça era uma enseada. Sucessivos aterros modificaram totalmente o panorama original desse lugar, mas podemos formar uma ideia melhor com alguns mapas antigos de uma Salvador ainda no começo de sua existência. 
Sinalizamos a Enseada da Preguiça com indicadores vermelhos

Uma frota se acomoda dentro da Enseada da Preguiça

domingo, 27 de abril de 2014

O ANTIGO E O NOVO MERCADO DO OURO

A foto acima é do antigo Mercado do Ouro, localizado no Cais do Ouro, distrito do Pilar em Salvador. Um prédio sensacional que hoje só se vê na Europa.

Inauguração com a presença do General Hermes da Fonsêca

Pois bem! Acharam por bem destruí-lo e em seu lugar construíram  a “coisa horrível” que é hoje o atual Mercado do Ouro:

Atual fachada do Mercado do Ouro


Fizeram a frente e deixaram o resto como era. Aí o mau gosto imperou de vez!

sábado, 26 de abril de 2014

SALVADOR SERIA UMA DAS MAIORES CIDADES DO MUNDO SE...

Jamais esqueceremos um comentário de um internauta ao receber fotos da Bahia (Salvador) antiga. (Um amigo de Salvador estava enviando para ele as referidas fotos).

“Se Salvador tivesse conservado o que já possuiu, seria uma das maiores cidades do mundo”


Verdade! Tínhamos uma cidade belíssima. Aí veio a governá-la um político nascido aqui, mas criado no Rio de Janeiro: J.J. Seabra – governador entre 1912 e 1924, desde que o político que intermediou seus dois mandatos, recebia ordens do mesmo e deu continuidade ao seu trabalho. 


Foi este governador que destruiu o antigo Porto de Salvador a fim de construir o monstrengo que é o porto atual. Monstrengo e ineficiente. (É tido como o pior porto do Brasil). Seus armazéns escondem dois a três quilômetros de um mar maravilhoso, desde a Estação da Baiana até Água de Meninos. 

O grande aterro do Porto

Os armazéns já construídos antes das avenidas que se fizeram no local


Mas, foi necessário! Coisa nenhuma! Tinha que ser feito a partir de Água de Meninos como hoje se cogita e com atracação vertical e não horizontal como é.

Mas era raso! Coisa nenhuma! Poder-se-ia aprofundar como hoje está se fazendo. O mar é o mesmo!

Tínhamos algo belo e o homem não enxergou isto:

Cais das Amarras

Mas, não era tão belo assim! Era, vejam a foto adiante:



Era belo!

Do mesmo ângulo já com os horríveis armazéns

sexta-feira, 25 de abril de 2014

AVENIDA DO CONTORNO DE ITAPAGIPE - A ESPERANÇA RESURGE

O que seria a Avenida do Contorno de Itapagipe

Em 23 de outubro de 2009, tivemos ocasião de fazer o trabalho acima. Trata-se de uma sugestão para a construção de uma avenida de contorno dos Alagados.

A nosso ver, seria a única maneira de conter o avanço das palafitas sobre o que resta da chamada “Baia de Itapagipe” ou “Enseada dos Tanheiros”.


Cinco anos após, voltamos a fazer fotos aéreas da área e se constata que o avanço das palafitas continua,  e certamente vai unir os dois lados.

O avanço das palafita continua

A esperança é agora. Temos um prefeito que está trabalhando em diversas áreas, visando a revitalização de Salvador e poderia inserir em seu plano de trabalho esta obra. Seria a mais importante de sua gestão, desde que ela atende aos anseios de quem gosta de Salvador, preservando o que ainda resta da Baía de Itapagipe.  Seria um presente à Natureza.

Nota: a foto acima é de 2009. Decorridos 5 anos, o avanço das palafitas já deve ter sido bem maior.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

ANTIGA SEDE DA WESTERN NO MEIO DA BARRA

Absolutamente curiosa a foto adiante: era a sede da antiga “Western” THE WESTERN TELEGRAPH  CO.:



Ficava no conhecido Largo dos Tamarindeiros ao final da Rua Cezar Zama na Barra.
Diz-se também que nesse largo funcionou um cinema. Possivelmente teria sido nesse mesmo prédio. 

Pelos idos de 1940/50 no lugar construíam a mansão adiante. Belíssima!

Por enquanto vamos chamá-la de "Mansão Azul" até quando alguém saiba a quem pertence e/ou pertenceu.

Na época usavam-se cabos submarinos. Ainda hoje, quem mergulha na Barra ao lado direito do Farol, ainda encontra pedaços desses cabos.



A telegrafia foi inventada por Samuel Finley Breese Morse, nascido em 27 de abril de 1791, em Charlestown, Massachusetts, Estados Unidos.
Samuel Finley Breese Morse

O telégrafo foi inaugurado no Brasil em 1857, com a instalação da primeira linha telegráfica, entre a praia da Saúde na cidade do Rio de Janeiro e a cidade de Petrópolis. Essa primeira linha tinha uma extensão de 50 quilómetros, sendo 15 quilómetros em cabo submarino no leito da baía da Guanabara.
A iniciativa partiu do Visconde de Mauá (foto abaixo)

Visconde de Mauá


sexta-feira, 18 de abril de 2014

MOMENTO ÚNICO DE UMA VISÃO




O Farol visto de um ângulo sem as balaustradas

Diz-se que o momento é a oportunidade única. É o instante de um acontecimento. No caso acima, no momento que derrubaram as antigas balaustradas para colocação de novas, fez-se um momento de fotografar o Farol da Barra de um ângulo que não lhe é comum. No momento não deu para livrar os aramados da obra que se faz no local. Por outro lado, dar-se autenticidade.

Pode relembrar o passado quando não se tinha essa proteção. Não se tinha nem mesmo a avenida. As casas ficavam próximas à praia e em dias de ressaca eram salpicadas por gotas de água salgada. 

Acima, justamente o local da foto anterior, livre dos percalços de uma obra de embelezamento que hoje se faz.  Ainda sem balaustrada e sem avenida. Apenas um caminho... caminho do mar ou da praia. Não importa, já era a Barra...

segunda-feira, 14 de abril de 2014

UMA CASA APÓS O FAROL - ESTRANHO!

O Farol da Barra e seu forte é um dos locais mais fotografados, pintados, ilustrados de Salvador, quiçá do Brasil.



Já vimos centenas de fotos de todos os ângulos do magnífico forte. O leitor certamente também.

Quase sempre é mostrada a fortaleza e o farol no seu interior. Fica localizado no Morro do Padrão uma elevação na esquina de Salvador com cerca de  12/15 metros de altura  Sua construção começou em 1696 e concluída em 1698 durante o governo Geral de João de Lencastre (1694-1702).  Também era conhecido como Vigia da Barra e é o mais antigo do continente.   

O conjunto da obra morro, fortaleza e farol, é maravilhoso e, claro, a Prefeitura procura preservar seu formato, desde que sempre tem gente querendo acrescentar algo. Foi o caso da construção de um coreto em determinado ano que não conseguimos precisar.

Em determinado ano fizeram um coreto em frente ao farol

Mas eis que nos surge uma foto do grande ícone com uma casa construída após a fortaleza. Não é coisa de muito antigamente. Deve ser algo a partir de 1942, desde que ao lado dessa foto temos o Edifício Oceania inaugurado nesse ano. Vê-se um bonde transitando no local. 


 Uma casa após a fortaleza ! Seria uma montagem?

Sinceramente não sabemos do que se trata; estamos curiosos por saber e se alguém souber que nos informe. 

LUMINÁRIAS CENTRAIS NA AV. OCEÂNICA- ERA ASSIM!

Antigamente era  muito comum as principais avenidas das cidades serem iluminadas com luminárias centrais, ou seja, colocadas no meio das ruas com ou sem proteção de pequenas ilhas.

Não temos certeza das verdadeiras razões desse procedimento, se uma questão de economia de energia, de melhor iluminação ou teria uma razão estética.

Verdade que naquele tempo não havia a intensidade de trânsito que hoje as grandes cidades possuem,   fator que praticamente descarta a centralização das luminárias centrais hoje em dia.


Mas que eram um charme não temos a menor dúvida em afirmar. Vejamos, por exemplo, a Avenida Oceânica de Salvador do principio do século passado.

Luminárias no meio da rua



Quase um obelisco... (pelo menos uma marca)
A mesma avenida noutro lance

Vista do alto - À direita a Av. Oceânica - À esquerda a Rua Afonso Celso

A mesma avenida  ainda sem os postes centrais- Perdeu muito!

domingo, 13 de abril de 2014

FAROL DA BARRA E SEU CORETO

Ao longo dos anos o entorno do Farol da Barra sofreu inúmeras modificações visando torná-lo ainda mais belo.  Atualmente estamos vendo as obras de embelezamento das avenidas e largos que lhe são próximas.

 Afinal de contas o Farol, como é conhecido em todo o mundo, é um dos maiores ícones de nossa cidade juntamente com o Elevador Lacerda, Pelourinho, Mercado Modelo  e a Colina do Senhor do Bonfim.

Essa preocupação vem de muitos anos atrás quando até um coreto já foi construído na base do morro onde ele se encontra. Não ficou muito bem e tanto isso é verdade que pouco tempo depois o tiraram.

Em verdade, não só o Forte e seu Farol são os seus atrativos. Também o morro, localizado na ponta da grande península que é Salvador, chamado Ponta do Padrão, é parte do conjunto que chamamos de Farol da Barra. É uma localização privilegiada, algo absolutamente incomum!


Resta-nos então, mostrarmos o referido coreto em fotos da época, possivelmente do principio do século XX. Não ficou bem e deve ter sido retirado às pressas.

Farol da Barra e seu coreto

Coreto do Farol com direito a bancos. Era a época das filarmônicas.Coretos como este eram seu palco

sábado, 12 de abril de 2014

FONTE DA MÃE D'ÁGUA NO MORRO DO FAROL DA BARRA

Diz-se que Francisco Pereira Coutinho, primeiro donatário da Capitania da Bahia, teria residido onde é hoje o Forte Santo Antônio da Barra, o nosso Farol da Barra.

Se isto for verdade, o local teria água doce potável, fácil de pegar. É! Parece que tinha. Estamos nos referindo à Fonte da Mãe D’Água que ficava localizada na parte de baixo da Ponta do Padrão, junto ao mar. Por demais interessante, quase inusitado ou pelo menos raro. 


Fonte da Mãe D'Água em baixo à direita

Fonte da Mãe D'Água

Depois de algum tempo ficou assim. Poderiam ter deixado.

Vista aérea do local

E de onde vinha a água da Fonte da Mãe D'Água? Do próprio Morro do Padrão, como era conhecido antigamente? De outro morro nas proximidades como é o caso do Morro do Gavazza? Do Rio dos Seixos na Avenida Centenário ou do próprio mar? Do próprio mar? Isto mesmo. Vejamos uma matéria sobre o caso.

"Por ocorrerem em profundidade e não serem tão visíveis como as águas de superfície, as águas subterrâneas são menos fotogênicas e sempre foram tidas como misteriosas. Por esses motivos, muitas foram as hipóteses sobre a sua origem. Alguns filósofos gregos acreditam que a sua formação devia-se a infiltração de ar nas cavernas, sob as montanhas. Outros defendiam a hipótese de infiltração de água do mar em cavernas e uma posterior purificação para a retirada do sal. Já o astrônomo alemão Johann Kepler, no século XVI, assemelhava a Terra a um monstro enorme que retirava água dos oceanos e a digeria, descarregando o resto como água subterrânea, Porém, Vitrúvio, um arquiteto romano no século I a.C já sugeria a possibilidade de as águas subterrâneas estarem diretamente relacionadas à infiltração de água superficial"



BARRA DE HOJE (PRAIA DO FAROL) E DE ANTIGAMENTE

Barra de hoje (Praia do Farol)

A  Barra está passando por uma reforma geral. Parte já foi semi-inaugurada, desde que muita coisa ainda deve ser feita no trecho onde se realizou o Carnaval.

Agora as reformas avançam em direção ao Porto e estas parecem ser maiores do que as realizadas na Av. Oceânica.

Os tempos atuais lembram bem o que  aconteceu no principio do século passado, quando a Barra, justamente onde estão sendo feitas as obras,  era um vilarejo, sem avenida, sem nada. A praia era horrorosa. O mato tomava quase todo seu espaço.

Vejamos as fotos da época:

Apenas um vilarejo - A diferenciar somente o Farol (1908)

Ainda não tinha a avenida. As casas foram construídas próximas à praia

Mais ou menos a mesma coisa - Vista do lado contrário

Com vista para o Morro do Cristo ainda sem a estátua


Construção da Avenida vinda de Ondina - A Barra ainda está com suas casas junto à praia


terça-feira, 8 de abril de 2014

PLATAFORMA ABANDONADA

A família Brandão foi praticamente dona de Plataforma. A estação Ferroviária tem o seu nome “Almeida Brandão” e uma de suas principais ruas- aquela à beira-mar- chama-se Rua Úrsula Brandão.

Sinceramente, esperávamos que fôssemos encontrar uma bela avenida: bem cuidada, aprazível, um cartão de visitas para quem vai a  Plataforma, a bela localidade em frente à Penha.

Em todo lugar no mundo, a avenida a beira mar é mais bem cuidada. É um presente da natureza!


Mas que nada! Praticamente a rua é um “caminho” desses que se vê em muitas cidades do interior.

Conclusão: há muitos anos não se faz nada no outro lado de Salvador, desde que  a Enseada dos Tainheiros parece dividir os dois espaços em muitos aspectos desde o físico até o social e outros tantos.






Rua Úrsula Brandão em diversos trechos - INACEITÁVEL

segunda-feira, 7 de abril de 2014

BARRAGEM DO RIO DO COBRE E DOS MACACOS - REPETE-SE A HISTÓRIA

Há poucos dias a imprensa divulgou os protestos da Marinha de relação à Barragem do Macaco que abastece a Base Naval de Aratu. Estão poluindo os rios que abastecem a referida barragem como ela própria. O Comandante foi enfático: se não tivermos água dessa barragem, praticamente a Base Naval de Aratu não pode funcionar.

Barragem do Macaco

Logicamente, a Marinha vai fazer de tudo para preservar a referida barragem – uma questão de sobrevivência.


Ai lembramo-nos de uma postagem que fizemos em 2013 que retrata bem o que agora está acontecendo em Aratu. Sem mais palavras, reproduzamos a mesma: 
 quarta-feira, 4 de setembro de 2013
O EXÉRCITO DEVERIA SE APOSSAR DO PARQUE SÃO BARTOLOMEU
No Bairro de Cabula se instalou a algum tempo o 9º Batalhão de Caçadores do Exército Brasileiro. Bendita hora que isto aconteceu! Em conseqüência, essa briosa unidade preservou extensa área ao seu redor, sendo hoje uma reserva ecológica das mais importantes de nossa cidade:

Nono Batalhão de Caçadores do Exército Brasileiro

Área preservada

Lagoa do Cascão

Deveria ter sido  feito o mesmo lá pelos lados de Campinas e Pirajá. Não haveria a degradação que vem acontecendo, colocando em risco toda aquela área.

Dique de Campinas

Como se pode notar, o dique acima está como que sufocado pelas construções ao redor e, a qualquer tempo, poderá desaparecer, afora, certamente, a contaminação que o mesmo está sujeito. Se já não está.

Barragem do Rio do Cobre

Belíssima

Cachoeira do Rio do Cobre
Até algum tempo atrás parte de Salvador era abastecida pelas águas do Rio do Cobre, contudo, após a construção de centenas de casas ao seu redor, o rio foi contaminado e o fornecimento suspenso.
Se não houver uma providência dos poderes públicos, em pouco tempo, tudo desaparecerá. Só mesmo a força de um exército para impedir esse crime