ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

segunda-feira, 22 de julho de 2013

O NOVO CAIS DA BAHIA MARINA E O RESTAURANTE AMADO - QUESTÕES AMBIENTAIS


Muitos haverão de lembrar-se da polêmica gerada em razão da construção da Bahia Marina na Av. do Contorno em 1999. Diversos técnicos foram contra a mesma. Estava sendo tomada grande extensão da faixa litorânea que começava ao lado da atual Praia da Preguiça, até proximidades do Solar do Unhão, numa extensão de quase 300 metros.

A principal razão dos que eram contra, dizia respeito à praia que existia no local, antigamente denominada Enseada da Preguiça, bem como, naturalmente, outras relativas à paisagem, correntezas, ventilação, etc. enfim, todo um eco-sistema do local.

No que diz respeito à praia em si, efetivamente existia no local uma bela praia e para que não fique nenhuma dúvida, fotografamos do alto o referido local e se vai constatar, por lógica irrefutável, que a mesma existiu e se permitiu a sua extinção.


O traço verde mostra a continuação da praia da Preguiça onde é hoje a Marina. Ela simplesmente desapareceu. Não é que esteja por baixo da construção.Foi aterrada.

Além de tudo que foi escrito acima, a Enseada da Preguiça, a antiga Enseada da Preguiça, é um lugar histórico. Gabriel Soares de Souza, cronista da época, comenta em seu "Tratado Descritivo do Brasil" que Tomé de Souza deslocou suas naus do Porto de Vilha Velha, atual Porto da B\arra, para a Enseada da Preguiça por questões de segurança e por estar próxima onde se construia a cidade.

Hoje, essa mesma Marina praticamente está se apossando do que restou da faixa de areia, com alegações que não convencem às pessoas que pensam um pouco sobre a cidade.

Está em pleno andamento a construção de um novo cais a partir do Trapiche onde hoje funciona o Restaurante Amado. Visa o alargamento do espaço para 200 novas lanchas e escunas.

Aos que estão a contestar, alega-se que o resto da Praia da Preguiça será preservado e até melhorado.
 
Mas como? O cais que se projeta em direção mar afora, vai prejudicar a ventilação da área, a paisagem, fluxo de correnteza, etc. etc..afora os danos causados a qualidade da água, desde que 200 novas lanchas haverão de ser limpas quase todos os dias, afora a poluição por óleo e gasolina. Não há como canalizar em separado esses detritos quase naturais de qualquer marina.
 
Por outro lado, o cais que se está a construir tem um inicio um tanto quanto estranho, quase estrabólico. Começa no fundo do trapiche onde hoje funciona o Restaurante Amado.
Claro que a Marina deve ter tentado a compra do referido trapiche, (restaurante inclusive), mas o seu proprietário deve ter pedido alto e hoje negam ter havido qualquer proposta. Não se acredita  nessa historia. O trapiche está atrapalhando o tal do cais. Parece um “apêndice” do mesmo.
 
A recíproca também é verdadeira. Sem dúvida que a extensão da Marina com suas 200 novas lanchas, o cais em si prejudicando a vista da área, irá trazer sérios prejuízos ao belo restaurante que tinha na paisagem do local um dos seus trunfos, conforme se pode ver adiante.

Não se compreende nem se aceita que os proprietários do referido restaurante tenham aceito essa aberração. Também não se aceita que a Prefeitura, Marinha, etc. não estejam vendo o que está acontecendo.


Claro que as condições do mar nessa área teriam que ser modificadas, com reflexo na Praia da Preguiça antiga “Enseada da Preguiça”.

Antiga Enseada da Preguiça

 


Nesse sentido, os próprios proprietários da Marina reconhecem o feito quando em nota à imprensa dizem:


"que a obra evitará o deslocamento da areia da Praia da Preguiça, segundo os estudos realizados durante mais de uma década, com o aval de técnicos dos órgãos de controle ambiental".

(Os grifos são nossos).

Deslocamentos de areia? Causados por quê? Claro que pela construção da Marina.

O que mais se teme com a ampliação do equipamento que estamos tratando é o fim da Praia da Preguiça, ao lado da Marina.

Alegam que nada vai acontecer. A praia vai ser preservada e até melhorada. Dá para rir! Partimos do principio de que a ampliação à direita da Marina com um cais partindo dos fundos do Restaurante Amado, vai ser tomado por lanchas e mais lanchaas. E se ainda restar praia, seus frequentadores terão com "vista" apenas as lanchas e ainda ficarão limitados a uma pequena faixa de mar. Acresce a tudo isto, a extenção que também foi feita no cais de fora.
Sem dúvida que a ampliação da Marina envolvendo a Praia da Preguiça que ficará literalmente em seu território, irá prejudicar por inteiro a paisagem da emesma.
 
Agora vamos analisar a questão do Restaurante Amado que fica ao lado da Marina. É um belíssimo restaurante. Tem vista para o mar. O cais que se está fazendo, perpendicular à Contorno, começa nas suas paredes como se poderá ver na foto adiante. Não encontramos outro termo senão este a fim de definir o referido cais: "nas paredes". Em consequência, sem dúvida alguma, o belo restaurante está a perder uma de suas melhores qualidade: a vista do mar.
 


 





Bela Vista - Belos Tempos.
 

Briga de cachorro grande”, com dizia o extraordinário radialista França Teixeira, recentemente falecido.
De relação aos aspectos jurídicos da questão, transcrevemos pareceres de especialistas em relação às praias:

"A definição de praia é importante para que esse bem seja delimitado uma vez que diversas questões jurídicas sobre ela podem surgir. Quando não for possível demarcá-la a solução é realizar pericia segundo os parâmetros da Lei 7.661 de 15/05/1988. Logo o Poder Público deve evitar a invasão, a privatização ou o desvio de finalidade desse bem que não seteja devidamente delimitado." 
, a solução é
 Já a sua proteção jurídica é garantida pelo art. 3º, inc.I, da mesma lei.

"Outras causas de degradação do ambiente praiano e marinho são as construções como barragens e portos, a expansão urbana, as instalações industrais, as obras de recreação e turismo realizadas na própria praia, a mineração costeira (retirada de areia), a construção de centros de pesquisas, bem como os bares e rertaurantes erguidos sobre as areias. Essa situação gera problemas não só ambientais como a poluição marinha e o comprometimento de sua balneabilidade, mas também problemas sociais ou socioambientais atingundo inclusive os pescadores, pois não são raras as vezes que a imprensa noticia as graves situações por que passam as pessoas que vivem da pesca que em razão da poluoção marinha se vêem privados de seu sustento"



Ainda de relação aos pescadores ou mesmo pessoas que apenas gostam de pescar, não poderão fundear seus barcos no local. Só lanchas e escunas serão permitidas, desde que paguem regiamente pelo local.
Ainda de relação à pesca, sem súvida alguma que uma marina como esta provoca a sua diminuição e até extinção. Por exemplo, antigamente pescava-se de mergulho na parte externa do cais sul do Porto.
 
 
 
No local existia muito bodião azul e batsda. Duvidamos que haja mais algbum nas redondezas.
 
.

Por fim, fala-se na construção no local de um heliporto, de um posto de combustível e um prédio de seis andares no local onde se encontra o trapiche e que seria demolido.
Sem dúvida que essas inovações provocarão novas polêmicas.  



Uma visão mais completa


Trapiche- Praia e principio da atual Marina


O novo cais avança rapidamente


Interior do belo restaurante

Por fim, colocamos abaixo uma foto aérea do local da obra, a Marina, as praias (uma de areia e outra de cascalho) e o restaurante. Através dela, o leitor terá uma melhor ideia do que está ocorrendo..


Vista aérea do local

Por muito menos, o Ministério Público proibiu o funcionamento de barracas nas praias de Salvador ou próximo delas. E agora? Como ficamos? Irá acontecer a mesma coisa que os piers do Corredor da Vitória? Apesar de multados, continuaram funcionando. É a mesma encosta que a Marina se apossou. de forma definitiva e agora busca ampliar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário