ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

BARRACAS DE PRAIA DE SALVADOR- VOLTAM OU NÃO?


Não resta a menor dúvida da importância econômica de um litoral como nosso de belas praias e águas mornas. Primeiramente, torna-se uma atração turística e como tal movimenta diversos setores agregados ao setor. Paralelamente, é um meio de vida de milhares de pessoas, desde os envolvidos com a pesca profissional, até o simples vendedor de amendoim, de picolé, de empada, o nosso antigo barraqueiro, etc. etc.. Todos ganham ou ganhavam (barraqueiros) com a existência das praias de qualquer lugar.
Por essa razão, é de estranhar que passados dois ou três anos da extinção das barracas de praia em Salvador, não se tenha encontrado uma solução para o retorno das mesmas, evidentemente dentro de novos padrões estruturais.
Padrões estruturais?! Sim, isto mesmo. Não se pode admitir que não tenha sido por essa razão o motivo da retirada das mesmas, desde que em outras capitais e mesmo no Estado, as barracas continuam em seus lugares, vendendo iguarias e bebidas, mas principalmente dando emprego a muita gente.
Desde a sua extinção, ficamos imaginando o que os ex-trabalhadores das barracas de Salvador estão fazendo para viver.
Como é sabido, esse pessoal tem nível escolar baixo ou não tem nenhum o que se lhes torna difícil o emprego em outra atividade. Por essa razão, não há menor dúvida, que muitos terão se envolvido com atividades ilegais, como é bastante corriqueiro nos dias de hoje. Admitir outra derivação é absolutamente inverossímel.  
A medida também deve estar prejudicando o turismo. Mas como? Eles (turistas) não vêm aqui para tomar banho de mar?
Com toda a certeza, não vem não. Geralmente, saem do hotel em ônibus para os poucos “tours”que a cidade proporciona- o Pelourinho – Senhor do Bonfim – o que mais? Praia sem dúvida. Mas ficar aonde na praia? Não tem onde ficar... no sol causticante? Nem pensar.
O mesmo acontece com a população de idosos. Esse pessoal já não pode ir a praia como um jovem. Tomar sol, nadar, surfar, etc. etc. Em verdade, tinham nas barracas uma boa opção. Tomavam sua cerveja; comiam seu caranguejo, olhavam o ambiente. Que mais fazer?
Mas, estendendo o pensamento: as crianças também tinham nas barracas uma proteção contra o sol.
Vamos um pouco mais longe: e a higiene. Muitas das barracas mantinham sanitários e pontos de água corrente. Onde a população está satisfazendo suas necessidades? No mar, claro, poluindo-o de uma forma das mais insólitas
Outra feita, um defensor da extinção das barracas, certamente um chato, argumentava que a maioria das barracas não tinha sanitários. Verdade! Mas era uma providência que se exigida pelos órgãos competentes, seria tomada por todas, de imediato. Não é por aí.
Preocupa-nos também o fato de que, na última campanha para prefeito da Capital, este assunto foi pouco tratado. Parece-nos que ACM Neto fez alguma referência; o outro, entretanto, parece que nem conhecia o assunto.

Também é preocupante a boataria referente à autoria da proibição das barracas. Entre os barraqueiros, quase sem nenhuma exceção, diz-se que foi o ex-prefeito. Até a imprensa, determinados órgãos, endossam essa informação por interesses políticos. Por conveniência, foi João Henrique e estamos conversados.
Isto precisa acabar; ter um fim. Oficialmente, a medida partiu da Procuradora Geral da República  do Brasil, órgão federal, como todos sabem.
Segundo se sabe, no processo até a Prefeitura é ré e não autora.
E porque é importante saber toda a verdade. Apenasmente para que as ações para derrubar essa medida sejam dirigidas a quem de direito. Não se pode perder mais tempo. O prefeito agora é outro e o governador, adversário político, está disposto a ajudar a Prefeitura num gesto admirável pelo bem dessa cidade.
Barraca de praia em Lauro de Freitas- Tiveram coragem de derrubá-la?

Também é oportuno frisar o que substituiu as barracas, desde que, muito naturalmente, alguma alternativa teria que ser seguida por alguns barraqueiros. Absolutamente natural. Pois bem! No lugar das barracas ou próximas delas – no meio da praia inclusive, foram juntados os engradados de cerveja e meia dúzia de isopores, materiais protegidos por velhos guardas-sol das empresas de cerveja. Para sentar uma providência vinda dos campos – duas pedras ou alguns tijolos e uma tábua estendida entre eles. Uma graça. E aqueles que fazem os conhecidos “churrasquinhos”, uma churrasqueira de araque, ameaçando os banhistas com suas brasas.
O que fazer agora?





Nenhum comentário:

Postar um comentário