ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quarta-feira, 13 de junho de 2012

A FESTA DE SÃO PEDRO NA RIBEIRA

Em quatro lugares em Itapagipe foram construídas grandes casas, algumas delas verdadeiras mansões. Estamos nos referindo à Avenida dos Tainheiros, a Ribeira, a Penha e o Poço. Em verdade, esses trechos foram os primeiros a receber as melhorias urbanas que Itapagipe mereceu nas décadas de 1920/1940, bem como tinham o mar como cenário maior.


 
 Todas as casas sinalizadas acima eram excelentes residências. Hoje, 98% delas viraram restaurantes ou pontos de apoio para as barracas instaladas em frente. Antigamente, (1920/1960), tinham à frente os grandes tamarindeiros que ainda resistem e o mar e neste mar um poço de águas profundas que deu nome ao lugar


 
No São Pedro, essa colônia organizava uma festividade relativa a data. A principal atração era a uma fogueira de quase 10 metros de altura que se montava na parte mais protegida da praia. No primeiro minuto do Dia de São Pedro (29 de junho) tocava-se fogo naquela estrutura de paus velhos e galhos de mangue. Antes, fazia-se uma guerra de espadas entre os tamarineiros que serviam como trincheira natural dos grupos em ação. Eram os pescadores do Poço e os “tainheiros” da Ribeira. Certa feita, uma dessas espadas subiu pela copa da árvores e na sua agonia proporcionou raro espetáculo de luz e cor. Terminou caindo na praia e num último suspiro de fogo avançou para o mar. Após a luta que só se encerrava com o a liquidação do estoque dos perigosos morteiros, os dois grupos se reuniam para as comemorações: as bebidas, principalmente o licor de jenipapo, as canjicas, os siris bóias cozidos em grandes latas de gás, a soltura de grandes balões que eles mesmos faziam. Que bons tempos aqui lembrados!



Nenhum comentário:

Postar um comentário