ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

LAVAGEM DO BONFIM – PERCURSO – 1ª PARTE

...e ás 10 horas da manhã, o povo começa a andar. À frente do cortejo vão os políticos divididos pelo menos em três grupos: o do governador e seus secretários; o do prefeito e seus secretários e o pessoal da oposição, sempre o mais aplaudido. Logo atrás a banda de música de uma corporação militar; em seguida, o pessoal dos sindicatos e suas faixas fazendo as costumeiras exigências. Essa é a parte dispensável da Lavagem, mas não tem como evitá-la. Faz parte! Depois vêm as baianas, centenas delas vestidas de branco, muito branco, das dálias e das angélicas; é um grande momento, aliás, o primeiro grande momento, desde que, ao longo do percurso outros grandes momentos vão acontecer até aquele último já nas escadarias do templo ou um pouco antes na subida da ladeira. Após este estado de beleza o jegue eletrônico dá o ar de sua graça e de sua irreverência. Depois mais branco, o branco dos filhos de Gandhi , milhares deles e o seu perfume de alfazema impregnando as pessoas, as ruas e as praças.

Em seguida os jegues mais enfeitados do mundo, puxando suas carroças igualmente fantasiadas de papel crepom, flores plásticas e balões de látex. Conduzem “ilustres” passageiros que pagam pelo luxo de cervejas geladíssimas armazenadas em caixas térmicas; até mesmo o gelo trazido de casa para as doses de uísque 12 anos e quibes e empadas feitos em casa. A carroça tem espaço para muita coisa, da mesma forma que tinha antigamente para carregar a madeira carbonizada que vinha das ilhas para esquentar os arcaicos, mas necessários utensílios domésticos das residências do século XVIII para XIX que requeriam aquecimento, principalmente aqueles para cozimento dos alimentos.

Claro que isto merece mais esclarecimento. Um pouco antes dos períodos citados, toda a lenha que vinha das ilhas e do recôncavo, inclusive a carbonizada (carvão) chegava a Salvador em saveiros no Porto da Lenha, ali embaixo do Bonfim. Esse material subia pela Ladeira da Lenha no lombo dos escravos . Do Bonfim, a “preciosa” e utilíssima mercadoria era transportada em carroças puxadas a jegue pelo Alto do Monte Serrat, seguindo pela atuais Avenida Luiz Tarquínio e Barão de Cotegipe, Calçada e chegava na antiga Feira de Água de Meninos que ainda não existia. Ai à esquerda, subia para a Cidade Alta pela hoje Ladeira da Água Brusca, Santo Antônio, Pelourinho, até alcançar as portas de Santa Catharina ao norte da cidade. Lá dentro, e depois fora, morava a maior parte da população de Salvador.
 
É por essa razão que as carroças participam da lavagem. É um interessante simbolismo! Quem diria?
 
Também com grande simbolismo é a participação das “baianas”. Não somente pela beleza de suas vestes e o encanto e a simpatia de suas pessoas. Têm um significado religioso. No Candomblé muitos santos da religião Católica têm uma referência sincrética, de sincretismo, que significa, assim muito rapidamente, uma mistura de crenças, ou seja, uma reunião de elementos de uma religião aceitos por outra. No caso, no sincretismo do Candomblé, Senhor do Bonfim é Oxalá, o mais importante deus iorubano, representando o principio de tudo, inclusive de criar o mundo e determinar o fim da vida. É o pai da brancura, da paz e da união. É contra a violência e gosta de limpeza e pureza. Seus filhos devem vestir branco todas as sestas feiras. Daí a indumentária de todos que vão à Lavagem do Bonfim, daí as baianas que vão lavar hoje as escadarias do grande templo.


Antes, lavavam (simbolicamente) o mesmo templo. Fotografias da época. Nesse tempo, só as baianas tinham o direito de lavar a parte interna da igreja. A parte externa era lavada por devotos não caracterizados. As imagens mostram mais ou menos este detalhe


Acrescentamos ainda que Oxalá é muito ligado à água, daí a sua maior festa chamar-se “Águas de Oxalá” e já por ai se sente e se compreende as ligações com a lavagem do Senhor do Bonfim. Fortalece as ligações acima expostas.

Outros animais participam da lavagem: são os cavalos. Eles vêm de chácaras da Grande Salvador, de Pirajá, Cabula, Mata Escura e outras localidades. Diz-se que até das ilhas vêm cavalos (nos antigos saveiros). São também uma representação e referência daqueles velhos tempos.

Na sequência, diversos blocos de percussão própria e clarinetes estridentes. A Timbalada, por exemplo, costuma aparecer.

Aparecem também torcedores do Bahia, este ano comemorando sua permanência da 1ª divisão. Os do Vitória também costumam aparecer, mas este ano não têm o que comemorar.

E lá vem o povo todo de branco. Muita gente! Em frente à Praça Cayru, percebem a 1ª placa indicativa do percurso. Achamos que é único percurso no mundo com esse detalhe.

6.500 metros até a Igreja do Bonfim. Disseram que eram 8.000 metros, mas pode ser. Muita gente costuma dar uma entrada na Feira de São Joaquim para umas e outras e até almoçar e assim completar a distância “oficiosa”.
 
Já estamos entrando na Rua Miguel Calmon, a antiga rua dos bancos, hoje a rua das faculdades e de dezenas de casas de crédito. O saber e o consumo estão em alta!
 
Ao final da Miguel Calmon temos o privilégio de ver um dos mais belos edifícios de Salvador. Nele funciona a Associação Comercial da Bahia.

Essa belíssima construção foi erguida no terreno da antiga bateria (obra fortificada com peças de artilharia) do Forte São Fernando, anteriormente chamado Cais Novo. Decorria o ano de 1811. Foi inaugurado no dia 28 de janeiro de 1817.

Quem quiser ver mais alguma coisa do Comércio, é só entrar por uma de suas ruas à direita da Miguel Calmon e vai apreciar belíssimos prédios da fase áurea dessa parte da cidade.


No largo em frente levantaram um belíssimo obelisco em homenagem à Batalha do Riacuelo;
Foi inaugurado em 23 de novembro de 1874 e sua origem é francesa. É composto por pedra calcárea, bronze e ferro. Tem 23 metros de altura e um diâmetro de 27,60m.
À título de curiosidade, em 1817 o mar chegava junto a esse obelisco. Ainda não tinha sido construída a Av. Miguel Calmon.

Ali próximo, tem inicio a Av. Jequitaia que termina no Largo da Calçada. A placa de distância nesse local indica que a Igreja do Bonfim se encontra a 5.5 km, consequentemente, a passeata só cumpriu apenas um quilômetro, mas um quilômetro de pura alegria e devoção. Não deu nem para sentir!

Esta região antigamente era muito bonita. Chamava-se Cais Dourado. Vejam uma foto:



Reparem a quantidade de saveiros aportados na área.
Praça Marechal Deodoro de hoje. Antigamente chamava-se-se Praça Cais do Ouro ou Cais Dourado.
Nas proximidades do Cais Dourado se multiplicou o número de trapiches que eram as grandes casas de comércio da época. Absorviam todas as mercadorias importadas e as vendiam. Salvador chegou a ter para mais de 400 trapiches. Com o advento do porto e a taxação das mercadorias importadas em 40% todos os trapiches fecharam as portas, encerrando um ciclo de prosperidade dos maiores de todo o mundo. Salvador era considerada a capital do Hemisfério Sul.
A esquerda da Jequitaia, numa pequena subida, acha-se uma igreja um tanto diferente das demais. Trata-se da Igreja Nossa Senhora do Pilar, também conhecida como Igreja de Santa Luzia, porque lá se encontra uma imagem da grande santa protetora dos olhos.
 

Olha como era o Forte Santo Alberto por volta de 1694.
 
Projetava-se sobre o mar em cima de uma barreira de recifes.


Hoje é assim. Mais significativo ainda é o fato de que o forte que estamos vendo acima, foi construído sobre um outro que existia no local e foi demolido. Verdade! Nesse mesmo local existia o Forte São Thiago de Água de Meninos, também conhecido como Forte Lagartixa, construído entre 1590 e 1610.



Nesse local, temos mais uma placa da Prefeitura. Indica que estamos a 4 quilômetros do Bonfim. Que bom!

Depois, alcançamos a Calçada, antes conhecida como Calçada do Bonfim. O destaque hoje é a sua estação de trens. Foi construída em 1860 e reformada em 1981 com a atual fachada. Quando de sua abertura denominava-se Estação da Jequitaia e era uma estação “central e marítima da estrada”, segundo descrição de Cyro Deocleciano em 1886. Depois foi denominada Estação Bahia e finalmente Estação da Calçada.
Sua história começou em 1853, quando um senhor chamado Joaquim Francisco Alves Branco Muniz Barreto, recebeu do Governo Imperial a concessão por 20 anos para construir uma estrada de ferro saindo das proximidades do porto de Salvador até Juazeiro, às margens do Rio São Francisco. Muniz Barreto era engenheiro. Não se sabe como o referido senhor conseguiu a referida concessão, desde que ele próprio não tinha condições financeiras de construir uma ferrovia. Isto ficou comprovado dois anos após quando transferiu a difícil e milionária concessão para a Bahia and São Francisco Railway Company, uma empresa inglesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário