ATÉ HOJE JÁ TIVEMOS MAIS DE 400 MIL CONTATOS

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO

Na postagem anterior, dizíamos que o Forte de Santo Antônio fora construído entre 1624 a 1625. Deixamos de acrescentar que, junto com o do Barbalho e o Santo Alberto na Jequitaia, constituíam o sistema de defesa dessa parte da cidade.

Curiosamente, entretanto, há citações que já em 1594 existia no local uma capelinha que se diz ter sido construída por um senhor de engenho de Água de Meninos chamado Cristóvão de Aguiar Daltro e que “o mesmo teria recebido de Tomé de Souza em 1549 uma doação de terras na parte norte da cidade onde existia uma nascente de água e que esta água formava lá em baixo um verdadeiro lago onde os meninos da região costumavam se divertir, originando-se daí o nome “Água de Meninos”.

Todas as pessoas têm o direito de se expressar da forma que quiserem. É o caso da citação acima sobre a Água de Meninos. (Origem de seu nome). Acontece, porém, que, há também o direito de discordar, principalmente em razão de que diverge totalmente do que escrevemos em 16/11/2009:

Está faltando ainda uma coisa. O porquê da expressão “Água de Meninos”?
Foram feitas pesquisas de todos os lados e nada foi encontrado. Há uma hipótese que agora levantamos de que a referida expressão teria tido origem no fato de que, antes da aterragem da área, existia uma praia denominada Praia da Jequitaia. A referida praia, como todas as outras existentes nas proximidades até Monte Serrat, possuía uma barreira de recifes. Muito provavelmente, essas barreiras formavam bacias tranqüilas nas marés vazias. Uma delas seria a “Agua de Meninos”. Segurança de todos. Pura garantia! Também uma expressão bem baianês. Água de Meninos.
O conhecido costume dos meninos do Barbalho e Santo Antônio descerem para tomarem banho no cais de 10 metros, como acontecia na década de 1940, poderia ter advindo do uso da Praia da Jequitaia para os banhos em suas bacias.

A hipótese de que a expressão "Água de Meninos" teria surgido porque os padres costumavam batizar os meninos na Praia da Jequitaia, não se sustenta. O batismo católico é feito no interior das igrejas.

Agora, além da versão do batismo surge esta da formação de um lago de água doce na Praia da Jequitaia. Parece-nos pior do que a dos padres.

Nossa descrença sobre essa informação aumenta fortemente quando seus autores, ainda falando sobre a Água de Meninos, afirmam que o Sr. Daltro “aproveitou a força motora das águas daquela nascente...”

Naqueles tempos, o aproveitamento da força motora das águas de uma nascente é algo inacreditável, para não dizer inaceitável.

Outro ponto digno de registro é a doação feita por Tomé de Souza, justamente em 1549 O homem estava chegando à Bahia naquele ano junto com o mestre de obra Luiz Dias. Os dois estavam preocupados com a fundação da cidade; sua proteção; onde seria a Casa do Governador; a Cadeia Pública; a Igreja; onde alojar os que vieram com eles. Problemas de uma enorme complexidade e não seria nesse momento que estaria fazendo concessões de terras fora dos limites da cidade. Àquela altura, nessa área só tinha índio.


Igreja de Santo Antônio


Detalhe


Em todo seu esplendor
De lado




Nenhum comentário:

Postar um comentário